Você pode ter 15 Minutos de Poder

0
252

Veja a história dos 15 Minutos de poder. Será que você não está vivendo este momento agora?


Era uma vez, há muitos e muitos anos, uma escola de anjos.

Conta-se que naquele tempo, antes de se tornarem anjos de verdade, os aprendizes de anjo passavam por um estágio. Durante um período, saíam em dupla para fazer o bem e, no fim de cada dia, apresentavam ao anjo mestre uma relação das boas acções praticadas.

Aconteceu que, um dia, dois anjos estagiários, depois de vagarem exaustivamente por todos os cantos, regressaram frustrados por não terem conseguido realizar um salvamento sequer. Parece que naquele dia o mal estava de folga.

Enquanto voltavam, tristes, os anjos depararam-se com dois lavradores que seguiam por uma estrada. Nesse momento, um deles, soltando um grito de alegria, disse ao outro:

– Tive uma idéia! Que tal darmos poder a estes dois homens por quinze minutos para ver o que eles farão? Nesse período, poderão realizar todos os seus desejos.

– Ficaste maluco? – Respondeu o segundo anjo – O anjo mestre não vai gostar disso!
Mas o primeiro replicou:

– Acho que ele até vai gostar. Vamos fazer isso e depois contaremos ao mestre.

Decididos pela experiência, os anjos tocaram seus dedos invisíveis nas cabeças dos dois agricultores e puseram-se a observá-los.

Poucos passos adiante, os lavradores se separaram e seguiram por caminhos diferentes.

Um deles, após alguns metros, viu um bando de pássaros voar em direção à sua lavoura. Passou a mão na sua testa suada e disse:

– Por favor, meus passarinhos, não comam a minha plantação. Preciso que essa lavoura cresça e produza, pois é dela que tiro o sustento da minha família.

De imediato, ele viu, espantado, a lavoura crescer, em questão de segundos, e ficar prontinha para a colheita. Assustado, esfregou os olhos e acelerou o passo, pensando que devia estar mesmo muito cansado.

Aconteceu que, logo adiante, ele caiu ao tropeçar num pequeno porco seu que havia fugido do chiqueiro. Mais uma vez esfregando a testa suada, disse:

-Fugiste de novo, meu porquinho! Mas a culpa é toda minha… Ainda vou construir um chiqueiro decente para ti.

Mais uma vez maravilhado, ele viu o chiqueiro transformar-se num local limpo e acolhedor, com água corrente, e o porquinho já bem feliz dentro de seu novo “chiqueiro”. Esfregou novamente os olhos e, apressando ainda mais o passo, pensou: “Estou cansado demais e ando vendo muitas coisas!”.

Assim que chegou a casa e abriu a porta, a tranca que estava pendurada no alto caiu sobre a sua cabeça. Ele tirou o chapéu e, esfregando levemente a cabeça, disse:

– De novo… E o pior é que eu não aprendo mesmo. Também não tem me sobrado tempo. Mas ainda hei de ter bastante dinheiro para construir uma casa grande e assim dar um pouco mais de conforto para a minha família.

Naquele momento aconteceu o milagre: a humilde casinha foi se transformando numa verdadeira mansão diante de seus olhos. Assustadíssimo e sem nada entender, convicto de que todas aquelas visões eram devido ao cansaço, deitou-se numa enorme poltrona e, em segundos, dormia profundamente.

Minutos depois, ouviu alguém pedindo socorro:

-Compadre, ajude-me! Estou perdido.
Ainda ensonado, sem entender o que acontecia, levantou-se correndo. Tinha na mente imagens muito fortes de algo que não entendia bem e que lhe parecia um sonho. Quando chegou à porta, encontrou o amigo em prantos.

Ele lembrava-se de que, minutos antes de se despedirem no caminho, tudo estava bem. Perguntou o que havia acontecido e ouviu a seguinte história:

– Compadre, nós nos despedimos no caminho e eu segui para a minha casa. Acontece que um pouco mais adiante vi um bando de pássaros voando na direcção à minha lavoura. Fiquei revoltado e gritei: “Vocês de novo, atacando a minha lavoura! Tomara que seque tudo e que vocês morram de fome!” No mesmo instante, juro, vi a lavoura secar e todos os pássaros morreram diante dos meus olhos!

Pensei comigo: “Devo estar cansado” e apressei o passo. Mais adiante, caí depois de tropeçar no meu porco que havia fugido do chiqueiro. Fiquei bravo e gritei: “ Fugis-te de novo!? Por que não morres logo e paras de dar trabalho!?” Compadre, não é que o porco morreu, bem ali na minha frente? Acreditando estar vendo coisas, andei mais depressa ainda e, ao entrar em casa, me caiu na cabeça a tranca da porta. Como eu já estava mesmo com muita raiva, gritei novamente: “Esta casa caindo aos pedaços… porque não lhe pega fogo logo e isto acaba de uma vez?” Para surpresa minha, compadre, a casa começou a pegar fogo na hora, e tudo foi tão rápido que nada pude fazer!·
Assim que acabou de contar a história, o lavrador se deu conta da belíssima casa do amigo:·
– Mas compadre… O que aconteceu com a sua casa?! De onde veio esta mansão?

Depois de a tudo observarem, os dois anjos, muito amedrontados, foram contar ao anjo mestre o que se havia passado. Estavam apreensivos quanto à reação que teria o seu superior, mas tiveram uma agradável surpresa.

O anjo mestre ouviu com atenção o relato, deu os parabéns aos dois anjos pela idéia brilhante que haviam tido e resolveu decretar que, a partir daquele momento, todos os seres humanos desfrutariam de quinze minutos de poder na vida. Só que jamais saberiam quando esses quinze minutos lhe seriam oferecidos.

Moral da história

Será que os próximos quinze minutos serão os seus? Muito cuidado, portanto, com tudo o que diz, com o seu modo de agir e pensar! Lembre-se: a sua mente está sempre trabalhando para que tudo aconteça, seja algo bom ou algo ruim…

COMENTE

Por favor digite o seu comentário
Por favor informe o seu nome

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.